Empresas e sustentabilidade: será que unir esses dois conceitos é possível? Esqueça a ideia de que para ter ganhos financeiros não é preciso se preocupar com os impactos ambientais, isso ficou no passado. 

Hoje, adotar práticas sustentáveis na gestão dos negócios, como uma estratégia de logística reversa, podem influenciar o sucesso da sua empresa.

Entenda como a gestão ambiental e sustentabilidade nas empresas estão se tornando práticas cada vez mais requisitadas no mercado. Leia o artigo a seguir e tire todas as suas dúvidas sobre o tema! 

Sustentabilidade e empresas: qual a relação?

Hoje, cada vez mais ouvimos falar em um consumo consciente e sustentável. De tal modo, é imperativo que as empresas priorizem, na gestão, medidas voltadas para reduzir os danos ambientais. 

Dados divulgados pela NASA comprovam que, desde 1750, as atividades industriais aumentaram em 50% os níveis de dióxido de carbono atmosférico. Nesse sentido, para conter a poluição, gestão ambiental e sustentabilidade nas empresas devem ser pautas importantes para as organizações.

A sustentabilidade empresarial se refere ao balanceamento entre a aquisição de lucros e a preservação do meio ambiente. 

Em outras palavras, ela é baseada em um conjunto de ações, que visam o desenvolvimento sustentável de produtos, sem poluir o meio ambiente. Os impactos positivos provocados por essa conscientização são muitos, como:

  • Economia: materiais reciclados podem gerar novos produtos, até mesmo os eletrônicos;
  • Menos poluição: o descarte incorreto dos produtos pode poluir os lençóis freáticos, o solo e por consequência ir para em alimentos, contaminando a população;
  • Redução do lixo: a reciclagem dos produtos evita a produção de novos, sendo baseada na reutilização dos já existentes.

Para garantir a inovação e sustentabilidade nas empresas, é possível adotar um conjunto de medidas conhecidas como Environmental, Social and Governance (ESG), ou ambiental, social e governança, em sua tradução literal. 

O termo, criado em 2004 pelo Pacto Global – um dos braços da ONU –  é voltado para a definição de boas práticas empresariais que priorizam a saúde do meio ambiente.

Por que adotar o ESG?

O ESG é um conjunto de critérios usados para identificar quando uma corporação trabalha em prol de objetivos sociais, e verificar se ela busca maximizar os lucros a qualquer custo em nome dos acionistas. Os critérios do ESG são baseados em três pilares:

  • Ambiental: é usado para verificar se a empresa possui práticas de proteção ao meio ambiente;
  • Social: verifica como os colaboradores, fornecedores, clientes e a comunidade se relaciona com a empresa;
  • Governança corporativa: se refere às políticas administrativas da empresa, que indicam se a organização mantém conformidade legal.

Qual a importância de estabelecer uma relação entre sustentabilidade e empresas?

Atualmente, é importante implementar a sustentabilidade como parte das estratégias em uma empresa para obter resultados significativos

Um levantamento realizado pela Morningstar e Capital Reset demonstra que, em 2020, os fundos de ESG no Brasil captaram cerca de R$ 2,5 bilhões. Apesar de não ser uma prática obrigatória, a adoção dos conceitos de ESG se tornou algo necessário nos últimos anos.

Mas, afinal, por que a relação entre sustentabilidade e empresas é importante? Para entender qual a relação entre os dois, é preciso elencar mais alguns dados:

  • Um estudo realizado pela BSR comprova que 72% dos entrevistados acreditam que as mudanças climáticas podem afetar significativamente suas operações;
  • Dados divulgados pela Forbes apontam que 92% dos consumidores são propensos a confiar em marcas socialmente responsáveis;
  • Uma pesquisa realizada pela Greenprint aponta que 75% dos consumidores millennials estão dispostos a pagar mais caro por um produto sustentável.

Ou seja, os dados demonstram que o consumo consciente impacta diretamente os negócios da empresa. 

Quais as vantagens da gestão ambiental e sustentabilidade nas empresas?

Na estratégia de gestão, sustentabilidade e empresas devem andar juntas. Os impactos gerados pelas práticas sustentáveis podem influenciar até mesmo na lucratividade, aumentando a receita das companhias. 

Confira agora algumas vantagens de adotar a gestão ambiental e sustentabilidade nas empresas!

Mitigação de impactos ambientais

Diminuir o consumo e a produção de poluentes é fundamental para garantir um bom lugar para as gerações futuras e para nossa. Nesse sentido, adotar novos hábitos, começando por práticas simples, é importante. 

Pequenas atitudes, como trocar as lâmpadas comuns pelas de LED, reduzir o consumo de copos descartáveis e papéis dentro da empresa já podem fazer uma grande diferença.

Diminuição dos custos e desperdícios

Pequenas práticas impactam diretamente a saúde financeira da empresa. Por exemplo, a digitalização de processos e o armazenamento em nuvem eliminam  a necessidade de imprimir pilhas e mais pilhas de papéis. 

O uso de lâmpadas mais eficientes também impacta na conta de luz no final de mês, gerando uma redução nos custos. Dessa forma, além de reduzir a produção de poluentes, a empresa economiza.

Melhora a qualidade de vida dos colaboradores 

Promover um ambiente de qualidade para os colaboradores também faz parte do conceito de ESG. É importante ressaltar que locais de trabalho estressantes e sem as condições necessárias podem impactar negativamente a saúde dos colaboradores, prejudicando a produtividade.

Nesse sentido, fornecer todo o aparato necessário e um bom ambiente de trabalho é fundamental para o sucesso da empresa.

Fortalece a imagem da marca

Os modelos de consumo mudaram e, hoje, as pessoas optam por comprar de marcas sustentáveis. Dados divulgados pelo We Forum demonstram que 73% da geração de Z estão dispostos a gastar mais em produtos sustentáveis.

É possível perceber que o foco dos consumidores não está apenas em encontrar produtos de qualidade e com bom preço. Eles dão preferência para produtos de marcas que possuem uma consciência social e ecológica.

Atrai novos mercados

A produção consciente é um ótimo modo de atrair clientes e potenciais investidores. Eles estão de olho em empresas responsáveis pelo cuidado com o meio ambiente. 

Isso porque empresas antenadas em políticas voltadas à sustentabilidade constroem uma reputação positiva. Logo, as marcas se tornam fortes no mercado também pelo compromisso com a preservação do meio ambiente, atraindo olhares de investidores, que buscam empresas de sucesso socialmente responsáveis.

Qual o papel da agenda ESG?

A agenda ESG tem como função conscientizar as empresas sobre a importância da sustentabilidade em estratégias de negócios

A agenda ESG é um conjunto de princípios que norteiam o processo contínuo e a revisão estratégica dos negócios empresariais. Basicamente, é composta por um conjunto de práticas interligadas, que servem para tornar as empresas mais conscientes dos riscos ambientais.

Baseada em três pilares, a agenda ESG visa conscientizar e direcionar as empresas para uma produção mais consciente. Mais do que um conceito de sustentabilidade, a agenda ESG se refere também à sustentabilidade do negócio e as relações criadas com os investidores.

A forma como a empresa se comporta no mercado dita como ela é vista não apenas pelos clientes, mas também pelos investidores e pela concorrência. Por isso, a agenda ESG é uma ótima base para entender como criar estratégias sustentáveis. Confira a seguir as principais responsabilidades da agenda ESG em 2022!

  • Clima: o rápido aquecimento climático vem sendo pauta de diversas reuniões internacionais focadas no meio ambiente. Por isso, se espera que as empresas diminuam a emissão de gases poluentes, que afetam a atmosfera do planeta;
  • Padrões alinhados: o objetivo é alinhar os padrões dos relatórios, de forma que eles se tornem universais;
  • Diversidade e justiça social: questões como equidade salarial, inclusão, diversidade, foco nos direitos humanos, sustentabilidade e justiça ambiental devem ser pautas cada vez mais importantes;
  • Cumprimento fiscal: será cobrado uma transparência maior no que se refere ao cumprimento fiscal, como o pagamento de impostos;
  • Foco no greenwashing: é um termo em inglês usado para se referir a “lavagem verde” ou “maquiagem verde”. Trata-se de uma tentativa de camuflar informações sobre os impactos reais proporcionados pela poluição, que advém de atividades da empresa. Por isso, a exigência de relatórios mais transparentes será cada vez mais comum;
  • Atenção para a biodiversidade: é fundamental mapear e avaliar os riscos que a atuação das empresas representa para a biodiversidade. O objetivo é verificar como a organização pode minimizar as ameaças ao meio ambiente, com foco voltado para a preservação dos biomas.

Como promover a gestão ambiental e sustentabilidade nas empresas?

Há variadas formas de implementar práticas sustentáveis no negócio, de forma interna ou até mesmo envolvendo clientes

Agora, você já conhece um pouco mais sobre a relação entre as empresas e sustentabilidade e sabe a importância  desse tópico para a estratégia de negócios. Mas, afinal, como aplicar esses conceitos na organização? Confira a seguir algumas dicas!

#1 Fortaleça o consumo consciente

A busca por produtos sustentáveis é uma realidade. Por isso, a oferta de produtos ecoeficientes, refis e à base de material reciclado pode ser um ótimo jeito de conquistá-los.

Além disso, sua empresa deve se tornar um exemplo, isto é, não basta apenas carregar frases de efeito que falam sobre consumo consciente, e não adotar essas práticas. Busque fornecedores que atendam esses mesmos requisitos de preservação ambiental.

#2 Use as diretrizes de sustentabilidade como ponto de partida para sua estratégia

Elas são importantes para criar um bom plano de ação. Conheça as regulamentações e leis que orientam as empresas sobre as boas práticas de sustentabilidade. As diretrizes do Pacto Global, por exemplo, podem nortear suas ações. Assim, você garante a criação de um plano adequado às normas. 

Além disso, avalie também as diretrizes dos órgãos nacionais, como a Política Nacional de Resíduos Sólidos, para elaborar sua estratégia de gestão ambiental.

#3 Use o marketing ao seu favor

Crie e divulgue ações voltadas para práticas sustentáveis. Além de ser uma ótima forma de mostrar responsabilidade social e compromisso com a preservação do meio ambiente, é um modo de atrair os clientes, convidando-os para fazer desse processo que beneficia a comunidade em geral.

#4 Defina práticas sustentáveis

Como vimos até aqui, a inovação e sustentabilidade nas empresas devem andar de mão dadas. As companhias de diferentes setores têm o compromisso de contribuir para a preservação ambiental, pautada pela lei.

Dessa forma, a organização precisa estar consciente sobre a importância de reduzir a geração de poluentes na fabricação de produtos. A Política Nacional de Resíduos Sólidos é bem clara no que se refere à gestão de resíduos, para evitar que esses materiais sejam destinados a lixões e aterros. É importante ressaltar que o descumprimento da lei pode gerar multas e prejudicar a imagem da empresa.

#5 Acompanhe as práticas de sustentabilidade e fortaleça e comunicação

Não basta criar um bom plano de ação, elaborar políticas internas e não fiscalizar esse trabalho. Afinal, qual a garantia que você tem que tudo está sendo aplicado? Por isso, é importante fazer um acompanhamento para verificar se as políticas de inovação e sustentabilidade na empresa estão surtindo efeito.

Além disso, é preciso criar canais de comunicação adequados (e-mail, sites, blogs, relatórios digitais, disponibilizar informações nos murais da empresa, entre outros) para informar os colaboradores. Os comunicados também podem servir como uma forma de demonstrar a evolução e a eficácia do plano de ação baseado nos pilares do ESG.

Para saber mais sobre o tema, confira também o nosso artigo Tecnologia sustentável: oportunidades e desafios.

E aí, gostou do conteúdo? Continue acompanhando a Ingram Micro, para ter acesso a outros conteúdos relacionados!

Este artigo foi útil?

Você já votou neste post

Paulo Batista

Paulo Batista

Gerente Sênior de Unidade de Negócios da Ingram Micro Brasil. A frente da divisão de Lifecycle (ITAD e Logística Reversa) e HW ProServices, tem mais de 20 anos de experiência em Serviços de TI e Indústria de Manufatura (Logística e Reparo), passando por diversas posições e liderando equipes em diversos países em empresas como LG, Microsoft e Flex. Formado em Administração de Empresas, traz diversas especializações, com destaque em Supply Chain (Rutgers University – NY/USA) e Negócios Digitais (USP).