Atualmente, existem mais de 500 megacidades em todo o mundo. De acordo com dados das Nações Unidas, algumas delas possuem mais de 20 milhões de habitantes. Além disso, a estimativa é que 68% da população mundial viverá em centros urbanos em 2050. Para se preparar para esse futuro, a maioria destas cidades já trabalham em soluções para mobilidade urbana com o auxílio das mais diversas tecnologias.

Cada vez mais empresas, startups, governos e cidadãos buscam por alternativas para se locomover nos centros urbanos. O objetivo é melhorar o fluxo no trânsito das cidades, diminuir o engarrafamento e o tempo de deslocamento, reduzir os impactos ambientais e o número de acidentes.

A boa notícia é que existem tendências promissoras e soluções para a mobilidade urbana do futuro. Aliás, hoje novas ferramentas já estão em uso, melhorando a qualidade de vida das pessoas que vivem nas grandes cidades.

Neste post, mostraremos como a tecnologia está revolucionando as soluções para mobilidade urbana. Continue lendo o artigo!

Como a tecnologia pode contribuir com soluções para mobilidade urbana?

Com o smartphone na mão, explorando os serviços de aplicativos, os usuários podem compartilhar o carro ou solicitar uma carona, por exemplo, o que contribui para a diminuição do número de carros nas ruas. Essa é apenas uma das contribuições da tecnologia e soluções para mobilidade urbana.

Além disso, é possível acompanhar o trajeto do ônibus em tempo real ou usar serviços de micromobilidade, como locação de patinete ou bicicleta. A transformação digital trouxe uma série de avanços, ferramentas disruptivas e novas possibilidades para os mais diversos segmentos de mercado.

As soluções criativas e tecnológicas representam uma oportunidade valiosa de reduzir e eliminar as dificuldades e obstáculos do tráfego das cidades e contribuir com soluções para mobilidade urbana.

São muitos os benefícios do uso da tecnologia na mobilidade urbana. Veja alguns deles:

  • Maior agilidade no fluxo do trânsito;
  • Conforto para as pessoas que gastam menos tempo no deslocamento;
  • Diminuição dos níveis de CO² liberados no ar;
  • Aumento de competitividade entre os diferentes modais.

Tendências de tecnologia em soluções para mobilidade urbana

Seja para os trajetos individuais, seja para os deslocamentos coletivos, as novas tecnologias têm sido amplamente exploradas para o desenvolvimento da mobilidade. A seguir, confira como as novas soluções para mobilidade urbana estão viabilizando o surgimento de serviços revolucionários.

Mobilidade aumentada pela inteligência artificial

Com a mobilidade aumentada por IA, um ecossistema de transporte habilitado com inteligência artificial (IA) pode aproveitar o poder dos dados, análises e nuvens. Estes, auxiliam a reduzir o tempo de viagem, gerenciar congestionamentos, melhorar a conformidade regulatória, apoiar o controle de tráfego aéreo, permitir a formulação de políticas dinâmicas e entregar muitos outros benefícios.

A INGRAM já trabalha com Inteligência Artificial, que é uma das soluções para mobilidade urbana de alta tecnologia no mercado. 

O crescente conjunto de ferramentas baseadas em inteligência artificial inclui a visão computacional, a conversação natural e as máquinas que possuem a habilidade de aprender com o tempo. Com tantos recursos, a IA tem o potencial de aprimorar muitos dos aspectos do ecossistema de mobilidade atual

A tecnologia permite, por exemplo, habilitar sistemas de transporte inteligentes (ITS) em muitas áreas. A seguir, veja algumas vantagens do ITS:

  • Otimizar o gerenciamento de tráfego; 
  • Implantar a sinalização inteligente;
  • Fazer melhorias na segurança e na programação de trânsito;
  • Fornecer informações em tempo real para os passageiros.

Contudo, essa é apenas uma de suas aplicações. A IA pode contribuir, e muito, para novas soluções para mobilidade urbana. Segundo estudos, o mercado global de IA em transporte deve atingir um montante de investimento de cerca de US$ 3,5 bilhões até 2023

Big Data

O imenso volume de dados tem sido essencial para essa transformação. A partir das informações coletadas, principalmente via aplicativos, é possível fazer a gestão e análise precisa dos parâmetros, que fornecem base para a construção das soluções para mobilidade urbana.

Com os dados do Big Data é possível coletar e gerenciar informações de trânsito, tais como as condições das vias, além de seus respectivos tipos e horários disponíveis. Afinal, é graças ao Big Data que aplicativos como Google Maps e Waze conseguem identificar o fluxo do trânsito de um local, apontando a melhor rota para chegar ao destino. 

Internet das Coisas

Em um mundo hiperconectado e alimentado pela Internet das Coisas (IoT), planejadores de transportes e formuladores de políticas têm acesso a volumes de dados sem precedentes. 

Atualmente, muitos órgãos responsáveis pelas políticas de mobilidade urbana já utilizam esses dados em recursos avançados de modelagem e simulação. Desse modo, conseguem testar novas soluções para mobilidade urbana em ambientes digitais, que duplicam as condições do mundo real. 

Por exemplo, nos Estados Unidos, a Associação de Governos de San Diego (SANDAG) está usando a IoT e outras soluções para mobilidade urbana como uma reforma completa do sistema de transporte da região. 

Com o modelo baseado em atividades e ferramentas de planejamento de esboço, a organização consegue fazer comparações relevantes de cenário. É possível, por exemplo, mensurar os benefícios da ampliação de estradas para aliviar o congestionamento de tráfego. E, na sequência, comparar com as vantagens de outras melhorias potenciais, como linhas de trem rápido ou sistemas ferroviários leves.

Soluções para mobilidade urbana proporcionadas pela tecnologia

A transformação digital chegou para facilitar a vida de todos no trânsito. São muitas as ferramentas que contribuem para a melhoria da mobilidade urbana. Soluções simples, como a conectividade entre carros, semáforos e gps, estão transformando cada vez mais o processo de deslocamento das pessoas.

Confira 6 tecnologias que estão revolucionando o trânsito, o transporte e a experiência dos usuários nas cidades com suas soluções para mobilidade urbana:

#1 Carros elétricos 

Existe uma tendência crescente na qual estima-se que a maioria dos motoristas fará a mudança dos carros a gasolina para os elétricos. As vantagens são óbvias, sobretudo para o meio ambiente, porque os motores movidos a eletricidade são localmente livres de emissões. 

Carros elétricos já fazem parte das soluções para mobilidade urbana e da realidade de muitas cidades.

No momento, os veículos elétricos (EVs) se encontram com um preço de compra mais alto do que os convencionais. Contudo, eles também oferecem uma série de vantagens que agregam valor à sua escolha, como os custos reduzidos de operação e manutenção. Além disso, os fabricantes oferecem reembolsos para quem adquire este tipo de veículo, e muitos países contam com incentivos e créditos fiscais para estes.

#2 Carros autônomos 

Hoje, os usuários de ainda precisam se locomover até o veículo. Mas, em um futuro não muito distante, o próprio veículo irá se dirigir, de maneira autônoma, ao passageiro  — parece até ficção científica, mas esse é o alvo de muitos centros de pesquisa e desenvolvimento.

O caminho para a direção autônoma passa por 5 níveis, sendo que as etapas 1 (assistência ao condutor) e 2 (autonomia parcial) já foram superadas. O próximo estágio de desenvolvimento é atingir o nível 3, de automação condicional. Isso já tornará a direção profundamente automatizada no trânsito. Por fim, os níveis 4 e 5 estão em busca da alta automação e da automação completa, respectivamente.

Todo esse processo tem como objetivo sua adequação para o uso diário e, também, a otimização da produção de veículos autônomos em massa. Como consequência, será notória a melhoria das soluções para mobilidade urbana.

#3 Comunicação de veículos com outros veículos (C-V2V)

Intimamente entrelaçada com a direção autônoma, está a comunicação C-V2V. Com esta tecnologia os carros conectados podem se comunicam em tempo real entre si (carro para carro) e com objetos em seu ambiente (carro para celular). 

Enquanto dirigem de forma autônoma, os veículos se unem para formar um comboio e agir como um único veículo. A desaceleração e aceleração simultâneas otimizam o fluxo do tráfego. 

Atualmente, alguns modelos conseguem interagir com outros veículos ou objetos de seu ambiente. Eles avisam outros usuários da estrada sobre os obstáculos que se aproximam, como engarrafamentos, para que eles possam reagir mais cedo.

A comunicação C-V2V já é realidade em Wuxi, na China, onde 1,76 milhão de veículos circulam pela metrópole se comunicando. Carros, ônibus, semáforos e placas de sinalização estão conectados. Com isso, os motoristas recebem uma notificação sempre que viajam muito rápido e um sistema de alerta informa previamente qualquer possível obstáculo no trajeto. 

#4 Táxis drones: mobilidade urbana no ar

Diante dos congestionamentos nas cidades, a tendência é que o futuro da mobilidade urbana também seja construído no ar. Em 2020, Dubai, Los Angeles, Dallas e Cingapura começaram operações experimentais com táxis drones. O uso comercial está previsto para 2023. 

No início, os pilotos ainda serão os responsáveis ​​pelo volante. Contudo, a disputa pelo título de  primeira cidade do mundo com drones-táxi autônomos já começou. A evolução é só uma questão de tempo!

#5 Transporte público sem bilhetes

No desenvolvimento da mobilidade urbana, a necessidade de tornar a viagem mais tranquila, com o mínimo de paradas ou pontos de controle, é evidente. 

Mundo afora, muitos projetos já têm sido implementados com esse objetivo. No Reino Unido, por exemplo, os passageiros de transporte público podem utilizar a plataforma de bilhetagem móvel Ticketless para se deslocar de um ponto a outro com o mínimo de esforço. 

Seguindo a mesma proposta, a UrbanThings, empresa desenvolvedora da Ticketless, deve lançar, em breve, um piloto do sistema “Be-in/Be-Out”. A partir dele, o aplicativo Ticketless do viajante irá rastrear sua jornada e gerenciar a cobrança de tarifas sem que ele tenha que pegar o smartphone. O objetivo é proporcionar uma experiência de viagem ininterrupta, livre de qualquer perturbação. 

Nos Estados Unidos, várias cidades já estão adotando a bilheteria móvel e integrada. O Monotrilho de Las Vegas foi o primeiro sistema de transporte público a adotar o Google Pay para a compra de passagens.

#6 Carteira de motorista e passaporte digital

As tecnologias digitais baseadas em IA têm sido amplamente exploradas para oferecer aos usuários uma experiência de viagem mais conveniente e segura. 

Um exemplo desta tendência é o esforço para digitalizar carteiras de habilitação. Nos Estados Unidos alguns estados, dentre eles Louisiana e Colorado, estão conduzindo projetos pilotos e de implementação da carteira de motorista digital, e no Brasil, já é possível baixar o app para ter seu documento sempre à mãos.

Já no ar, os passaportes eletrônicos estão sendo usados em mais de 150 países ao redor do mundo. A biometria e o reconhecimento facial também têm sido adotados para agilizar a experiência de viagem. Em mais de 40 aeroportos nos Estados Unidos, passageiros frequentes do programa de triagem acelerada CLEAR já utilizam a impressão digital para se identificar quando embarcam em voos.

Principais pilares dos sistemas de mobilidade

Os sistemas de mobilidade urbana do futuro são construídos a partir de três pilares principais: Internet das Coisas (IoT), capacidade de computação e inteligência artificial. O uso e a melhoria contínua destes 3 pilares é essencial para avançarmos cada vez mais na busca por soluções otimizadas.

As soluções para mobilidade urbana criadas não são únicas. Elas irão evoluir de maneiras diferentes em cada país e região, considerando investimentos, esforços do governos e até a adesão das pessoas às iniciativas de micromobilidade (pequenas distâncias de deslocamento a serem percorridas de maneira rápida e eficiente), por exemplo.

Faça parte do futuro com a INGRAM. Nós temos a tecnologia perfeita para você!

Neste contexto, as futuras mudanças no ecossistema de mobilidade urbana trazem oportunidades significativas e desafios também. Os governos que buscam essas inovações, por exemplo, terão que lidar com questões como gerenciamento de dados, ética, priorização de benefícios e o papel do setor privado.

De maneira geral esse é um dos destaques da agenda global para os próximos anos e, sem dúvida, um compromisso com todos os envolvidos. Empresas, startups, governos, instituições não governamentais e cidadãos precisam construir juntos a mobilidade urbana do futuro.

Gostou do artigo e quer saber mais sobre a aplicação da tecnologia nos diferentes segmentos? Conheça nosso blog e fique por dentro do universo da tecnologia!

Este artigo foi útil?

Você já votou neste post

Ricardo Rodrigues

Ricardo Rodrigues

Diretor de Commercial, Consumer, Mobility e ITAD da Ingram Micro Brasil. Experiência de 17 anos no setor de TI e 10 anos no setor de Consumo. Formado em Administração de Empresas e com MBAs Executivo e de Gestão Estratégica de Pessoas pela USP.