A segurança cibernética é uma estratégia complexa e em constante evolução. Afinal, a tecnologia não para de evoluir. Simultaneamente, as ameaças cibernéticas também se multiplicam. Esse cenário volátil pode dificultar a construção de uma política de cibersegurança capaz de garantir proteção eficiente e eficaz das redes corporativas. 

Então, os Centros de Operações de Segurança, também conhecidos como SOCs, podem ser uma solução para esse problema.

Quer entender melhor sobre o assunto e como esse centro de operações pode otimizar a segurança da sua empresa? Continue a leitura!

Afinal, o que é o SOC?

Um Centro de Operações de Segurança (SOC), também chamado de centro de operações de segurança da informação (ISOC), é um local onde uma equipe da área monitora, detecta, analisa e responde a incidentes de segurança, normalmente no modelo 24/7/365.

A equipe do SOC, formada por analistas e engenheiros de segurança, supervisiona todas as atividades em servidores, bancos de dados, redes, aplicativos, dispositivos de endpoint, sites e outros sistemas com o único propósito de identificar ameaças de segurança em potencial e impedi-las o mais rápido possível. Eles também monitoram fontes externas relevantes, como listas de ameaças, que podem afetar a postura de segurança da organização.

Esse time não deve apenas identificar ameaças, mas analisá-las, investigar a origem, relatar quaisquer vulnerabilidades descobertas e planejar como prevenir ocorrências semelhantes no futuro. 

Em outras palavras, os profissionais do SOC lidam com problemas de segurança em tempo real, enquanto procuram continuamente maneiras de melhorar a postura de segurança da organização.

Em uma escala maior, também existem Centros de Operações de Segurança Global (GSOC), que coordenam escritórios de segurança que literalmente se espalham pelo globo. 

Se a empresa tem escritórios em todo o mundo, em vez de estabelecer um SOC para cada local internacional, é possível investir na estrutura de um GSOC, que pode evitar que cada local repita tarefas e funções, reduzindo a sobrecarga. De outro modo, o GSOC também garante que a equipe de segurança tenha uma visão geral do que está acontecendo na organização inteira.

Aprenda agora o que é SOC, como funciona e como implementar o sistema na sua organização

Qual é a importância de um SOC?

Os ataques cibernéticos geram cada vez mais prejuízos para as organizações. Em 2018, bilhões de pessoas foram afetadas por violações de dados e ataques cibernéticos. De tal modo, a confiança do consumidor na capacidade das organizações de proteger sua privacidade e informações pessoais continuou a diminuir. 

Neste cenário, é importante que você tenha em mente a principal função do SOC: oferecer garantia de que as ameaças serão detectadas e evitadas em tempo real.

Analisando de uma perspectiva mais ampla, os SOCs viabilizam:

  • Respostas mais rápidas: fornecendo uma visão centralizada, completa e em tempo real de como toda a infraestrutura está funcionando do ponto de vista da segurança, mesmo se você tiver vários locais e milhares de endpoints. A equipe pode detectar, identificar, prevenir e resolver problemas antes que eles causem muitos prejuízos para os negócios.
  • Proteger a confiança do consumidor e do cliente: os consumidores já são céticos em relação à maioria das empresas e estão preocupados com sua privacidade. Criar um SOC para proteger os dados do cliente aumenta a credibilidade da sua marca e fortalece a relação de confiança com seu público. 
  • Minimizar os custos: embora muitas organizações pensem que estabelecer um SOC representa um investimento proibitivo, o custo associado a uma violação – incluindo a perda de informações, dados corrompidos ou deserção do cliente – é muito mais alto. Além disso, o pessoal do SOC garantirá que você esteja usando as ferramentas certas para o seu negócio, explorando o potencial de cada uma delas. Assim, sua empresa não desperdiça dinheiro com ferramentas ineficazes.
Episódios de ataques cibernéticos e vazamento de dado tornam os consumidores mais inseguros e desconfiados, assim, investir em SOC contribui para aumentar a credibilidade e confiabilidade da sua marca

sua marca

Agora que você viu alguns dos benefícios que ele proporciona, certamente já entendeu que esse tipo de estrutura contribui para manter o seu negócio funcionando. Mas será que você realmente precisa de um SOC? 

Se a sua empresa está sujeita a regulamentações governamentais ou do setor, sofreu uma violação de segurança ou armazena dados confidenciais, como informações de clientes, a resposta é sim.

[H2] Quais são as diferenças entre o SOC, NOC e BOC?

O SOC está focado em monitorar, detectar e analisar a integridade da segurança de uma organização 24 horas por dia, 7 dias por semana, 365 dias por ano. Por sua vez, o NOC (Network Operations Center), Centro de Operações de Rede,  tem como principal objetivo garantir que o desempenho e a velocidade da rede sejam adequados e que o tempo de inatividade seja limitado.

Sendo assim, o time do NOC procura por quaisquer problemas que possam diminuir a velocidade da rede ou causar tempo de inatividade

Na prática, tanto o SOC quanto o NOC monitoram o ambiente de maneira proativa, em tempo real, com o objetivo de prevenir problemas antes que os clientes ou funcionários sejam afetados. Eles buscam formas de fazer melhorias contínuas para que problemas semelhantes não voltem a surgir.

Igualmente importante, o BOC (Business Operation Center) é o Centro de Operações Empresariais que visa justificar investimentos em tecnologia para beneficiar os negócios. Na gestão, o uso deste tipo de solução permite antecipar as necessidades da empresa e dos consumidores, além de melhorar o desempenho das transações de negócios.

Dessa forma, com uma gestão inteligente, combinando o uso do SOC, NOC e BOC, as empresas conquistam mais know-how e conseguem proporcionar uma experiência mais simples, fluida, segura e satisfatória ao cliente

As abordagens são complementares e tornam a estratégia das empresas muito mais eficaz.

[H2] Como funciona o SOC?

O SOC lidera a resposta a incidentes em tempo real e impulsiona melhorias contínuas de segurança para proteger a organização contra ameaças cibernéticas. Ao usar uma combinação complexa das ferramentas e pessoas certas para monitorar e gerenciar toda a rede, um SOC proporciona:

  • Vigilância proativa e ininterrupta de redes, hardware e software para detecção de ameaças e violações e resposta a incidentes;
  • Instalação, atualização e solução de problemas de software aplicativo;
  • Monitoramento e gerenciamento de firewall e sistemas de prevenção de intrusão;
  • Verificação e correção de soluções antivírus, malware e ransomware;
  • Gestão de tráfego de e-mail, voz e vídeo;
  • Gerenciamento de patches e listas de permissões;
  • Análise profunda de dados de log de segurança de várias fontes;
  • Análise, investigação e documentação de tendências de segurança;
  • Investigação de violações de segurança para compreender a causa raiz dos ataques e prevenir violações futuras;
  • Aplicação de políticas e procedimentos de segurança;
  • Backup, armazenamento e recuperação.

O SOC usa uma variedade de ferramentas que coletam dados da rede e de vários dispositivos, monitora anomalias e alerta a equipe sobre ameaças em potencial. No entanto, ele faz mais do que apenas lidar com os problemas à medida que eles aparecem.

Muito além de detectar ameaças, ele tem a tarefa de encontrar pontos fracos internos e externos por meio de análises contínuas de vulnerabilidades de software e hardware. Além disso, o SOC reúne ativamente inteligência de ameaças sobre riscos conhecidos. 

Portanto, mesmo quando aparentemente não há ameaças ativas (o que pode ser raro, visto que os ataques de hackers acontecem a cada 39 segundos ), a equipe do SOC deve buscar maneiras de melhorar a segurança. 

Os profissionais se dedicam a tarefas, tais como o teste de penetração, que visa avaliar os pontos fracos e vulnerabilidades do próprio sistema, e a avaliação da eficácia das ferramentas de segurança.

Além das ferramentas certas, a escolha da equipe SOC é essencial para implementar o sistema com eficiência.

Como implementar o SOC?

São várias as etapas para implementar um SOC, considerando as demandas e riscos específicos da organização. Listamos, a seguir, as principais fases. Veja só:

#1 Desenvolva uma estratégia 

Um SOC é um investimento importante, porque é decisivo para o seu planejamento de segurança cibernética. Nesta fase, para criar uma estratégia que cubra suas necessidades de segurança, considere o seguinte:

  • O que você precisa proteger? Uma única rede local ou global? Nuvem ou híbrida? Quantos terminais? Você está protegendo dados altamente confidenciais ou informações do consumidor? Quais dados são mais valiosos e com maior probabilidade de serem direcionados?
  • Você vai fundir seu SOC com seu NOC ou criar dois departamentos separados?
  • Você precisa de disponibilidade 24/7/365 de sua equipe SOC? Isso afeta o pessoal, os custos e a logística.
  • Você construirá o SOC em sua estrutura interna ou irá terceirizar algumas ou todas as funções com o suporte de um parceiro? Analise o custo-benefício para definir a melhor abordagem.

#2 Certifique-se de ter visibilidade em toda a organização

Ao compreender o que é o SOC, é importante ter em mente que essa área deve ter acesso a todo o ambiente corporativo. Não importa o quão pequeno ou aparentemente insignificante seja um dado, o fato é que ele pode afetar a segurança. 

#3 Invista nas ferramentas e serviços certos

Na construção do seu SOC, concentre-se primeiro nas ferramentas. O número de eventos de segurança será esmagador sem as ferramentas automatizadas certas para lidar com o “ruído”, o que também gerará ameaças significativas. Especificamente, você precisa investir em:

  • Informações de segurança e gerenciamento de eventos (SIEM);
  • Sistemas de proteção de endpoint;
  • Firewall;
  • Segurança automatizada de aplicativos;
  • Sistema de detecção de ativos;.
  • Ferramenta de monitoramento de dados;
  • Sistema de governança, risco e conformidade (GRC);
  • Scanners de vulnerabilidade e teste de penetração;
  • Sistema de gerenciamento de log.

#4 Contrate os melhores profissionais e treine-os bem

Investir na contratação de funcionários qualificados e no treinamento contínuo é fundamental para o sucesso. É importante que a equipe compreenda alguns conceitos e práticas estratégicos, tais como a segurança de aplicativos e redes, firewalls, garantia de informações, Linux, UNIX, SIEM e engenharia e arquitetura de segurança. 

Para os cargos de analistas de segurança de alto nível, busque profissionais com habilidades específicas como hacker ético, cibernética forense, engenharia reversa e experiência em sistema de prevenção de intrusões.

#5 Considere todas as suas opções

São vários os tipos mais comuns de SOC. Conheça os principais e escolha aquele que melhor se adapta à realidade da sua organização:

  • SOCs internos: geralmente com uma equipe em tempo integral baseada no local. O SOC interno é composto por uma sala física onde toda a operação acontece.
  • SOCs virtuais: não são locais, sendo formados por profissionais part-time ou contratados que trabalham juntos de maneira coordenada para resolver problemas conforme necessário. O SOC e a organização definem parâmetros e diretrizes de como o relacionamento irá funcionar e qual suporte será oferecido pelo SOC, dependendo das necessidades da organização.
  • SOCs terceirizados: neste modelo, algumas ou todas as funções são gerenciadas por um provedor de serviços de segurança externo (MSSP) especializado em análise e resposta de segurança. Em alguns casos, essas empresas fornecem serviços específicos para dar suporte a um SOC interno e, às vezes, lidam com tudo.

Sistemas de segurança em rede: Ingram Micro é parceira especialista no assunto

Depois de entender claramente o que é o SOC fica mais evidente a importância de investir em uma política de gestão de TI consistente, robusta e completa. Colocar a implementação de sistemas de segurança de rede em primeiro lugar é fundamental para que as empresas consigam manter a continuidade do negócio, mesmo diante de tantas ameaças. 

A Ingram Micro é referência e autoridade na oferta de soluções de TI. Com a orientação dos nossos especialistas e as melhores tecnologias e sistemas do mercado, certamente sua empresa terá o melhor suporte para planejamento e implementação do SOC. 

Conte com a nossa orientação para fortalecer sua estratégia de segurança cibernética. Entre em contato com o nosso time de especialistas e saiba como podemos ajudar você.

Este artigo foi útil?

Você já votou neste post

Tags

Alexandre Nakano

Alexandre Nakano

Diretor de Segurança e Networking da Ingram Micro Brasil. A frente da diretoria de novos negócios para a área de Enterprise, Colaboração e Cybersec na Ingram Micro Brasil, possui mais de 20 anos no mercado de tecnologia e esteve sempre em cargos de gestão e direção de vendas em grandes empresas do setor de TI. Tem, em seu currículo, passagem por empresas como Cisco Systems, Cyclades/Avocent, Westcon/Comstor e Scansource/Network1. Além da experiência profissional, traz na bagagem acadêmica dois MBAs executivos, o primeiro em gestão corporativa pela FGV, o segundo em finanças, pelo Insper, além da graduação em Engenharia Eletrônica.